EXAME

14/11/2012

Teste Ergométrico

O teste ergométrico é feito com a estimulação do coração através do exercício em uma esteira ou pedalar em uma bicicleta ergométrica.

                A American Heart Association recomenda o teste ergométrico como a primeira escolha para pacientes com risco médio de doença arterial coronariana de acordo com fatores de risco como tabagismo, história familiar de DAC, hipertensão, diabetes mellitus e dislipidemia (colesterol elevado).

                Também é útil na avaliação do comportamento da pressão arterial durante o esforço e estabelecimento de correlação entre sintomas e arritmias desencadeadas pelo esforço.

                Em relação à doença arterial coronariana, é importante na avaliação de homens assintomáticos com fatores de risco ou com dor torácica e também  na avaliação de mulheres com dor torácica sugestiva, além da avaliação prognóstica e evolutiva de portadores de doença coronária crônica. Modificações no quadro clínico e/ou eletrocardiográfico, desde que se mantenha a situação de coronariopatia estável e que não constitua contra-indicação.

                O exame também é importante na avaliação pós-infarto do miocárdio em evolução precoce e tardia, não complicada na pré e pós-angioplastia transluminal coronária na pré e pós cirurgia de revascularização do miocárdio,  na avaliação de terapêutica farmacológica e na avaliação inicial e seriada de pacientes em programas de reabilitação cardiovascular.

Há algumas indicações especiais tais como:

1) Sadios, incluindo atletas para avaliação funcional ou com fins acadêmicos.

2) Avaliação funcional em coronariopatas com bloqueio do ramo esquerdo ou Wolff-Parkinson White (WPW).

3) Avaliação terapêutica na hipertensão arterial.

4) Estratificação de risco na síndrome de WPW.

5) Detecção de arritmias em portadores de miocardiopatia hipertrófica, forma não obstrutiva.

6)Avaliação funcional em portadores de valvopatias, destacando-se o subgrupo de pacientes com prolapso valvar mitral (PVM).

7) Avaliação funcional de pacientes em uso de marcapasso (MP) artificial com resposta variável de frequência , pré determinada ou dependente de biossensores.

8) Avaliação funcional e terapêutica em pacientes com insuficiência cardíaca.

9) Avaliação funcional em cardiopatias congênitas.

10)Avaliação funcional em doenças não cardíacas, como pneumopatias, doença arterial periférica, asma brônquica e diabetes.

11)Avaliação funcional em crianças, ressaltando-se as portadoras de sopro inocente ou com disfunções leves, arritmias e em pós operatório (PO) de correção total de cardiopatias congênitas.